11 de junho de 2015

Dobradinha de Petisco com linguiça







Esta receita, trás-me recordações de imensa de saudade...

Fui para Lourenço Marques, com 11 anos, e morar com os meus tios (na casa grande de estilo colonial). O meu tio gostava muito de cozinhar, e depois das grandes caçadas havia sempre bons petiscos.


Deixei a companhia deles, apenas quando casei, mas não ficámos longe. Compramos duas moradias na Machava, num bairro novo que fomos inaugurar. A minha casa era rodeada de relva e lindas flores...   foi ali que os meus filhos aprenderam a andar.

Mas sempre que havia oportunidade e o calor convidava, vinha-mos para o jardim. Na mesa colocávamos as cervejas, que eram de 1 litro e  apelidadas de bazucas, e junto o petisco que tinha-mos  preparado. Belos serões de demoradas e despretensiosas conversas, só incomodados com os mosquitos e com o calor desmesurado.







Quando íamos a uma cervejaria ou tipo snack bar e se pedia cerveja, infalivelmente era acompanhada de um pratinho de petisco e... oferta da casa. As ameijoas eram famosas e em quantidade ou  uns camarões médios cozidos ou uma dobradinha com alguns feijões brancos e meias rodela de cenoura ou simplesmente amendoins. Talvez a dedicação e gosto aos petiscos, tivesse surgido por aí...

Ele gostava muito de preparar petiscos com dobrada, mas este que hoje  trago, era um dos que eu mais gostava.







Aqui, nestes links vão encontrar as explicações necessárias para a lavagem, preparação e cozedura da dobrada.

Preparação das tripas ou dobrada




Ingredientes para o caldo de cozedura
Para  2 kg de dobrada, 
1 cenoura, 
1 raminho de salsa, 
1/2 alho francês, 
2 folhas de louro, 
1 colher de chá, bem cheia de pimenta preta em grão 
sal e 2 cravinhos.
1/2 caldo de carne
1 rodela pequena de limão

Dobradinha Petisco de com Linguiça

Ingredientes


A dobrada, cortada em pedaços

250 g de linguiça picada, na 123 ou robot de cozinha
2 cebolas médias, bem picadinhas
2 tomates pequenos ou 3, em calda, triturados
1 dl de azeite
1 colher de sopa bem cheia de manteiga
2 folhas de louro
2 colheres de sopa de vinho do Porto 
3 a 4 dentes de alho, esmagados com a casca
1 colher de café, de noz moscada, ou ralada da noz directamente
um raminho de salsa, sal e pimenta preta de moinho
1 a 2 dl de caldo da cozedura da dobrada

    • Quando a dobrada é preparada e cozida como é indicado na receita, o caldo dessa cozedura fica óptimo para a preparação da mesma. Se optar por outro liquido, substitua por caldo de galinha ou de carne.
    Refogue a cebola com o azeite, salpique com um pouco de sal mexa bem e adicione os alhos, o louro, a noz moscada e pimenta moída. Quando a cebola começar a querer dourar acrescente uma porção de linguiça picada e deixar fervilhar 2 a 3 minutos(a linguiça adicionada nesta fase do refogado solta mais aromas, concentrando mais os sabores) use, 1 a 2 colheres de sopa.  Pessoalmente, gosto de a adicionar na fase seguinte.

    Junte a dobrada e após envolver bem acrescente um pouco de caldo para que possa fervilhar e ainda, a salsa e a linguiça (guardando um pouco para decorar a taça no final). 

    O tempo de cozedura da dobrada depende da qualidade, e do gosto de quem a vai degustar. Se necessário acrescente mais caldo.

    Cá em casa gostamos dela bem macia, neste caso dou sempre um desconto, para que a   a linguiça possa ao ferver e soltar seu sabores, não coza demasiado a dobrada. Antes de desligar o lume deite o vinho do porto deixe levantar fervura, desligue o lume e se for placa afaste do disco quente e adicione a manteiga.

    Que não foi o caso desta, pois cozeu um pouqinho demais. Gosto também de reservar um pouco de linguiça e polvilhar o prato antes de "Petiscar"







    Não gosto de bebidas muitas frescas, mesmo no verão, mas para este petisco, estes tres sabores são indispensáveis. 




    13 comentários :

    1. Adoro receitas que nos trazem recordações! Há quem diz que não gosta de recordar tempos maus, mas eu gosto pois bons ou maus esses momentos existiram e fizeram parte da nossa vida. Eu gosto muito de viajar através dos sabores e quando eles nos trazem boas recordações, melhor ainda. Dobrada assim nunca comi, só comi dobrada como se faz aqui nos Açores. Mas esse prato deve ser muito bom! Beijinho

      ResponderExcluir
    2. Querida amiga Rosa, como gosto de ler seus textos tão recheados de carinhos e recordações. É muito bom quando éramos mais novas, ter a família toda reunida, e sempre tinha um tio, ou pai que preparava algum petisco que só eles sabiam fazer. Mamãe também fazia dobradinha com feijão branco que era muito bom. A sua ficou deliciosa, acompanhada com uma fatia de pão para xuxar nesse molhinho suculento e uma bazuca geladinha é tudo de bom. Belo prato amiga. Beijinhos

      ResponderExcluir
    3. Rosa,
      quem sabe se nos cruzámos em Lourenço Marques?! Estive lá entre 1969 e 1976 e dei aulas na escola preparatória da Malhangalene.
      Essa dobrada está mesmo a apetecer... com essa saudosa bazuca...
      E quando íamos à cervejaria?... Certa vez pedimos cerveja e tremoços. O empregado trouxe as cervejas e um pratinho com camarões... pedindo imensa desculpa por não haver tremoços!!!... Ainda hoje, quando pedimos cerveja e tremoços lembramo-nos dessa história com saudade!...
      Tenho no congelador dobrada já cozida à espera de ir para uma bela feijoada... picante!
      Gostei deste post!
      Beijinhos

      ResponderExcluir
    4. Querida Rosa, que memórias boas, essas! Imagino as saudades que de vez em quando devem bater...
      Este petisco é maravilhoso!Eu adoro dobrada, e assim de peqtisquinho é uma maravilha!
      Beijinhos

      ResponderExcluir
    5. Rosa minha querida!
      Que relato gostoso, cheio de boas lembranças!
      Aqui na minha cidade os bares servem dobradinha como petisco, tem tbm
      o caldo de mocotó, não sei se vc conhece, rsrs.
      O meu esposo adora dobradinha, vou a tua receita, ele vai amar!

      Bjs, fique com as bençãos de Deus junto a sua família! ♥

      ResponderExcluir
    6. Oi Rosa!
      Eu adoro dobradinha e a tua receita parece mesmo especial. Hummmm, deu água na boca!

      Amiga, vc deixou um comentário lá no blog dizendo que votou na Andréa, vou pedir p/vc confirmar o voto pq são DUAS ANDRÉAS. Por favor dá uma passadinha lá p/confirmar ok?
      Bjsssss querida

      ResponderExcluir
    7. Tão bom ler estas palavras, só recordações boas.
      Não aprecio dobradinha mas tem um excelente aspecto e sei que ia gostar.
      beijinhos

      ResponderExcluir
    8. Boa noite Rosa
      Faz um bom tempo que não como dobradinha,seu prato me apeteceu.Hummm,esse pão também parece apetitoso.
      Beijos

      ResponderExcluir
    9. oi minha amiga querida eu amo dobradinha sabe ..gosto dela assim refogada como voce fez ..ai que agua na boca ..hummm amei bjinhos doces

      ResponderExcluir
    10. Olá, na cidade do Porto temos um prato tipico que se chama "Tripas à moda do Porto" que gosto muito e por isso acho que também ia adorar da tua dobradinha.
      bjns

      ResponderExcluir
    11. Que memórias tão boas! E que prato tão bom também :) Tem mesmo bom aspeto :)

      ResponderExcluir
    12. Bom dia Rosa,
      Em primeiro lugar, agradeço a visita recente ao meu cantinho e ainda bem, pois tinha perdido o rasto a este cantinho que tanto adoro e agora já o posso voltar a pôr no lugar que merece.
      Um post magnífico este, como sempre. Não são as melhores memórias as que se celebram à volta de uma mesa, com amigos, família e comida e bebida boa? Eu acho que são e este texto é prova disso.
      AMO dobrada e esta tem um aspecto que me deixou cheia de saudades, pois aqui é algo que não encontro com facilidade e tenho tantas saudades de uma dobrada à nossa maneira portuguesa.
      Um grande beijinho Rosa,
      Lia

      ResponderExcluir