20 de fevereiro de 2017

Bolo Especial... de Maçãs e Nozes





Bolos assim, com maçã e nozes, são os meus preferidos. Este bolo, tive o privilégio de o provar em casa de uma amiga que conhecendo os meus gostos e tendo como aliado, as especiais maçãs do quintal, "com bicho",  preparou este bolo tão especial.
Claro que o "bicho" não entra na lista de ingredientes, aliás, ele quase nunca está na maçã. Só resta mesmo, o buraco.
Maçã como "bicho" não é variedade... é sinónimo de: qualidade, aroma, sabor e... maçã "biológica"!! 
E por maçã "biológica" entenda-se... "maçã de agricultura biológica !! 
É que a maçã biológica cheira e sabe... a maçã, e não a eventuais produtos que sejam aplicados.
Quem já provou uma destas maçãs acabadinhas de colher da árvore... não vai esquecer.




E foi assim que trouxe estas maçãs pequenas e bichadas para casa e fiz o bolo que tanto gostara. A cozinha ficou perfumada, o bolo uma delícia, mas as fotos... ficaram péssimas. 
Mas como o sabor também conta...
Vamos lá à receita !!

Ingredientes

Para as maçãs
- 4 maçãs grandes, ou, 6 pequenas
- 100g de açúcar
- 1 colher de chá (ou sopa) de canela

Para a massa do bolo
- 4 ovos
- 380 g de açúcar
- 280 g de farinha
- 100 g de nozes, picadas a gosto
- 200 ml de óleo
- 12 g de fermento em pó, ou, 1 colher de sopa
- 1 colher de chá de sal
- 50 ml de sumo de laranja

Preparação

Aqueça o forno a 180ºC. Forma untada e polvilhada com farinha.
- Descasque as maçãs e corte em pedaços de 3cm. Misture o açúcar, a canela e reserve.
Numa tigela grande misture a farinha, o fermento e o sal. Em outra tigela, bata o óleo com o açúcar e o sumo de laranja e os ovos
- Adicione esta mistura liquida à mistura da farinha e envolva suavemente para que todos os ingredientes fiquem bem incorporados.
- Deite metade da massa na forma preparada. Espalhe metade das maçãs sobre a massa. Deite a massa restante sobre maçãs, e finalize com as restantes maçãs e nozes.
- Leve ao forno por 45 minutos, no mínimo. Verifique com o palito se está cozido.
Se considerar que a temperatura do seu forno não não é muito forte, poderá levar mais tempo.

- Deixe arrefecer o bolo completamente antes de o cortar.





Não deixem de experimentar... é muito fácil e também uma delícia !!!

25 de janeiro de 2017

Risotto de Míscaros





Risoto, verdadeira riqueza da gastronomia italiana que se tem mantido fiel à sua tradição. E foi com este grão, o arroz, que começou a história de um dos pratos mais marcantes desta cozinha. Não somente por ser de fácil preparação, mas também por utilizar os ingredientes do dia a dia, além das imensas variantes de preparação.
O risotto surgiu no norte de  Itália, e foi em Milão, a capita da Lombardia, no norte, que teve origem o emblemático risotto milanês (com açafrão).
O arroz típico do risotto é de grão mais gordinho, que com maior quantidade de amido faz com que o risotto ganhe a sua cremosidade característica. Os arrozes arborio, carnalori e vialone são especialmente adequados para a essa confecção, sendo essencial estar atento para três pontos: a cremosidade, a consistência do grão e se eles se mantêm inteiros sem quebrar.
A história diz-nos que o risotto nasceu durante o século XI, no norte, mas com um grão trazido pelos sarracenos (forma como os cristãos na época medieval designavam os árabes e muçulmanos) que dominavam o sul de Itália.




Como em qualquer receita a qualidade dos ingrediente faz toda a diferença. A aqui, a escolha do vinho, do queijo e do caldo para a cozedura do arroz são da máxima importância. Querendo substituir o vinho branco, por espumante, este ganhará em sabor.

Ingredientes

- 180 g de arroz  (1 chávena) 
- 300 g de míscaros
- 90 ml de vinho branco (a quantidade do vinho deverá ser metade da do arroz)
- 1 cebola picada (média)
- 5 a 6  colheres de azeite
- 70g de manteiga 
- 800 ml de caldo de galinha
- 30 g de queijo parmesão
- 100 g de de miolo de noz
- Sal  
- Tomilho

Preparação


Aqueça o caldo e mantenha-o quente. Refogue a cebola com uma pitada de sal até branquear. A partir deste momento a receita requer toda a sua atenção e não deve afastar-se. Adicione o arroz à cebola, mexa bem para envolver no azeite e deixe que fite um pouco, mexa sempre, para não pegar no fundo da panela. Após 3 minutos diminua o lume e acrescente o vinho branco continuando a mexer. Vai ferver alto e misturar-se com todos os ingredientes da panela. Ao sentir que o vinho está evaporando, comece a adicionar o caldo. Deite então a primeira concha de caldo quente e deixe que seja absorvida mexendo continuamente. Deite uma pitada de sal e pimenta de moinho. Agora irá acrescentando caldo, consoante ele seja absorvido. A meio da cozedura ( 10 minutos) deite os míscaros ripados e mais uma pitada de sal. Ao mexer verifique se não há arroz colado ao fundo do tacho e vá acrescentando mais caldo, mas de forma a que não fique empapado. Este processo deve demorar perto de 20 minutos. Experimente o arroz de tempos a tempos até que ele esteja no ponto. Deve ficar "al dente", levemente húmido, mas sem muito caldo. Verifique o sal, adicione o queijo parmesão e envolva bem no arroz.
Retire a panela do fogo e adicione a manteiga, deixe que derreta, envolva suavemente, tapa a panela e aguarde 3 a 4 minutos antes de servir.
As nozes e o tomilho, foram adicionadas no prato e a gosto de cada pessoa.








18 de janeiro de 2017

Rabanadas Douradas ou Fidalgas





As pausas que fiz, ultimamente aqui no blog, foram quase um compasso de espera para as várias etapas que surgiram nos últimos meses. Boas, menos boas foram de tudo um pouco. Mas verificar que os meus seguidores sempre me acompanharam da mesma forma, é uma felicidade imensa. E assim que possível, e com muito animo, voltarei com os meus... Saberes com Sabores !!




Para a ceia de Natal só fiz Sonhos e estas Rabanadas de sonho...
Aproveitei as fotos que tiraram para vos deixar com água na boca.

Esta é uma receita que tem andado um pouco esquecida mas de imparável sabor, para mim... É mais uma relíquia da doçaria conventual que merece honras de estar presente à nossa mesa.
Muito simples de preparar e com a vantagem de não ser frita no óleo. A calda poderá ficar ao critério do nosso paladar, com, ou sem: pau de canela, casca de limão, vinho do Porto ou Madeira...

Ingredientes

- 10 fatias de pão, que seja de miolo bem compacto
- 500 ml de água
- 370 g de açúcar + 60g (3 colheres de sopa)
- 500 ml de leite
- 10 gemas + 2 claras
-  25 g de manteiga (1 colher de sopa)
- 1 calice de vinho do porto
- 1 limão
- 4 paus de canela

Preparação

- Leva-se o leite ao lume com a manteiga, e 60g de açúcar, 2 paus de canela, 2 cascas de limão e uma pitada de sal. Deixa-se ferver 5 minutos (deixei amornar e voltei a aquecer, assim desta forma, os aromas intensificaram-se).
- Passam-se as fatias por este leite e dispõem-se numa travessa ou sobre uma toalha para absorver o leite (eu coloquei em travessa).
- Noutro recipiente largo e baixo, leva-se o restante açúcar ao lume com a água, 2 paus de canela e duas cascas de limão. Deixa-se ferver 10 minutos.
- Entretanto batem-se muito bem as gemas com as 2 claras. Em vez de passar as fatia pelas gemas, deixei-as repousar (e virando-as) nessa mistura enquanto as ia cozinhando na calde açúcar. Introduzem-se duas a duas na calda do açúcar a ferver, e deixam-se cozer, primeiro de um lado e depois do outro (deixei cozinhar 2 minutos de cada lado).
- Entre a cozedura de cada par de rabanadas, adiciona-se um cálice de água. Adicionei o vinho do porto à calda quente, mas deixei que amorna-se bem e só depois reguei as fatias.

Na receita original polvilha-se com canela antes de colocar a calda, mas para agradar a todos os paladares... cada um a colocou a seu gosto !!!
Fiz ainda umas pequeníssimas alterações que achei por bem.

Em, *Cozinha tradicional Portuguesa* de Maria de Lurdes Modesto




Desejo para todos, que o ano 2017 seja de paz e prosperidade !!

27 de outubro de 2016

Bolo com Chantily e Morangos {para o 6º aniversário do blog}




Mais um ano... e o blog ganhou pernas para andar !!!
Seis anos de aventura, alegria e descoberta, só possível... com a generosidade de todos vós, que sempre presentes, me acarinharam com palavras de apreço.
Cada seguidor que ganhamos é um incentivo... e também, um acréscimo de responsabilidade.
Teria muito para dizer... mas por hora, o tempo não mo permite. Mas, uma vez mais, ficarei sempre grata a todos aqueles que dedicam seu tempo a visitar...
- Os meus Saberes com Sabores !!


É uma receita simples, ótima, e muito fácil de preparar.

Ingredientes
Para uma forma retangular de 30x20cm. mas, para este bolo, repetir-se-à a quantidade de ingredientes
 - 5 ovos
- 5 colheres de sopa de açúcar [110gr]
- 5 colheres de sopa de farinha [65gr]
- 1 colher de chá (rasa) de fermento em pó
- 2 pacotes de nata fresca, Longa Vida
- Morangos, a gosto
- Papel vegetal para forrar o fundo da forma

Forma untada, forrada com papel vegetal e levemente polvilhada de farinha

Para o gnache (cobertura)
1 tablete de chocolate, do Dia (mini preço)
3/4 do pacote de nata Parmalate
- Gosto de utilizar estas duas variantes e, o resultado é excelênte.

Leve a nata ao lume ou micro ondas, até quase ferver. Retire do calor acrescente o chocolate partido em pedaços muito pequenos e deixe descansar 10 minutos. Mexa bem e deixe arrefecer.

Preparação

- Preaqueça o forno a 180ºC 
Bata as gemas com o açúcar até ficar uma gemada cremosa. Acrescente a farinha com o fermento envolvendo, e no final adicione suavemente as claras batidas em castelo. 
Deite metade da massa no tabuleiro e alise. Leve ao forno por 7 a 8 minutos, retire assim que a  massa ao toque dos dedos, esteja ligeiramente firme sem se encontrar seca. Desenforme, prepare o tabuleiro e leve a restante massa ao forno. 
Deixe arrefecer bem as duas bases do bolo, prepare os morangos e bata as natas em chantily. 
Coloque uma base de massa no prato ou tabuleiro e deite uma porção de chantily. Espalhe bem e decore com metades de morangos. Coloque sobre estes, a segunda camada de bolo, cubra com chantily e espalhe bem com uma espátula. Termine cobrindo com a gnache e decore com os morangos. O bolo deve ser refrescado. 






20 de outubro de 2016

Bolo da Bolacha Maria {é tradicional e é nosso}






Gosto do Outono... 
A brisa suave... da mudança de temperatura e o colorido da folhagem... proporciona  uma nostalgia que me absorve docemente. Encurta-se a claridade diurna... tornando-se os serões mais longos... e, suscitam devaneios !!!
E num desses serões... despertou-me a gulodice, dum bolo de boas recordações. O bolo de Bolacha Maria. 




Era um bolo divertido, e não necessitando de forno era ótimo para preparar com crianças.
Começavam-mos por colocar todos os ingredientes sobre a mesa (que não eram muitos) aguardando que a batedeira cumprisse a sua função e nos oferece-se aquele creme...  doce e macio (adicionava sempre chocolate em pó). Com o ar perfumado de café, começávamos a construir as camadas de bolachas e creme... a meia altura do bolo, já o prato do café era uma papa de bolacha molhadas em demasia, e o restante, escorria entre as bolachas e o creme de chocolate... parecido com uma Torre de Babel... mas delicioso. Terminávamos lambuzados, mas divertidos.
Mudam-se os tempos... mudam-se vontades... e as minhas netas não gostam do Bolo de Bolacha Maria ,com chocolate!!
Alterei um pouco a receita e o bolo ficou delicioso, mantendo a manteiga como a tradição assim o exige.




Ingredientes

200gr de manteiga
200gr de açúcar em pó
250ml de café, forte e sem açúcar
1 clara de oco
1 colher de sobremesa de sumo de limão
300 a 350gr de bolacha maria, inteiras

Preparação

- Bater a manteiga à temperatura ambiente com o açucar até ficar em creme, junte a clara e bata novamente até obter um creme fofo. Adicione o sumo de limão e envolva bem.
- Escolha o formato que desejar para formar o desenho do bolo e comece a preparação.
- Não molhe, a primeira camada de bolacha, mas coloque um pouco de creme sob cada uma para aderirem ao prato e facilitar a colocação das camadas seguintes. Sobre as bolachas espalhe a primeira camada de creme.
- Molhe as bolachas no café morno e retira de imediato, espalhe nova camada de creme e, de camada em camada, terminará... sendo a ultima de creme.
- Termine, polvilhe a superfície de bolo com bolacha esfarelada.









16 de outubro de 2016

Bolo de Cenoura e Farinha de Arroz {sem glúten e sem lacotese}





Como já o mencionei várias vezes: adoro contrariar as rotinas, mas, dá trabalho... Há que ser persistente, usar a criatividade, e... ignorar censuras e avaliações. Somos adultos, e como tal, gastamos os "créditos" que possuímos, a nosso belo prazer!!

Amo fazer piqueniques. Salvo raras exceções, opto por não estar num recinto fechado rodeada de quem não conheço e sem saber se vou gostar da escolha que fiz. 
... e ir à praia no inverno: sentir os salpicos das ondas, brincar na areia com os meus cães que depois entravam na água contra a nossa vontade, mas quando saiam, era bem pertinho de nós que gostavam de se sacudir...
Tive uma cadela que a primeira vez que a levamos à praia e lhe mandámos um tronco para ela ir buscar na água, ela foi, e sem medo nadou mar adentro... fazer com que ela voltasse, para a praia, foi um filme. 

Depois de tantos momentos vividos e onde encontrámos a satisfação de ter lutado pelo que se sonhou... Voltamos a renovar outra aventura...  estou a mudar de residência!!! É a 6ª experiência, mas, em localidades e Continente, diferentes.
Como o apartamento necessitou de alguns restauros, era com curiosidade que acompanhava-mos as obras, e, curiosamente conclui, que me sentia como se fosse a primeira nova morada.

No terraço, as floreiras com a terra para os aromáticos já esperam pelas sementes, e ainda, no grande canteiro junto à garagem estava instalada uma terrível planta com raiz de bolbos. Ramificou-se em centenas e de e de todos os tamanhos, as maiores como pequenas batatas e as menores como cabeça de fósforo. Revolvi toda a terra por duas vezes, porque com o início das chuva começaram a aparecer pequenas folhas verdes e que provinham dessas raízes, e enquanto isso, nada posso plantar até exterminar as ocupantes do canteiro...




Ingredientes
Preaqueça o forno a 170º C

3 ovos
200 g cenoura ralada
125 ml de nata sem lactose
200 g de açúcar
180 g de farinha de arroz, (não tem glúten)
1 colher de sobremesa (rasa) de fermento em pó

Preparação

Deite no liquidificador a cenora, a nata e os ovos. Bata para ficar em creme. Numa tigela separada deite o çúcar e a farinha do arroz, junte o creme do liquidificador, o fermento e bata na batedeira 4 a 5 minutos.
Leve ao forno e em forma untada por 35 a 45 minutos, ou até ficar douradinho.




Este é um bolo muito simples. Como usei farinha de arroz eliminei o glúten (da farinha de trigo) e ficou muito agradável. Espero que gostem...


Depois de desenformado pode usar a cobertura que mais gostar.




Bom Apetite!!

1 de junho de 2016

Uma Pausa...







Vão fazer uma pausa... Por motivos pessoais e prementes!

Não posso prever o espaço de tempo que estarei ausente, mas tudo farei para que não se prolongue muito tempo.
Na volta, a todos visitarei, para provar as delícias que saem dessas cozinhas.

Um abraço e até breve!