17 de outubro de 2019

Bolo Fubá de liquidificador com Coco




Um bolo simples sem pretensões mas que fez as nossas delicias, e ainda, com características bem apelativas. Húmido, fofo e muito saboroso. Além de ser de fácil e rápida preparação. Tudo aquilo que se pretende para uma situação inesperada ou para aquele lanche guloso.
Esta receita é uma das que guardo no "baú das próximas" e já a trazia debaixo de olho há imenso tempo mas faltava testar o forno. Ontem bateu a "gulodice" e, fez-se o bolo.
...Porque Coco e Fubá... é uma ligação perfeita!!




Ainda estou a testar o meu forno que tem programas definidos e bem peculiares e, neste bolo, a temperatura terá de ser inferior há recomendada. Quando o retirei do forno, a superfície tinha ficado um tanto irregular, nada que preocupasse, pois não o tinha feito para publicar. Mas após ter trincado uma fatia ainda morna... teria sim, que partilhar estes sabores.






Sabem como sou rigorosa com a gramagem dos ingredientes, pois é deste rigor que se obtêm os bons resultados. Como nos podemos basear em medidas de chávenas?? Essas não são todas iguais, e também, nem todas as equivalências se regem pelas mesmas medidas e pesos. Mas em gramas, não pode existir erro, assim sendo, é em gramas que eu preparo a minha pastelaria. Quando a receita não é da minha autoria, faço a referencia integral dos referidos ingredientes, e acrescento então, as minhas equivalências já comprovadas. E foi AQUI que me inspirei.

Ingredientes para 15 a 17 porções

Forma com 27cm de diametro por 10cm altura

3 ovos, classe M
2 xícaras de chá de açúcar - usei só 260g. (200g de açúcar cristal e 60g de açúcar amarelo)
1 xícara de chá de óleo de milho - 140g
1 pitada de sal
2 xícaras bem cheias de farinha de trigo - 220g
1 xícara bem cheia de fubá - 110g
1 1/2 copo de leite morno - 300ml (usei leite magro sem lactose)
3 colheres de sopa de coco ralado  (bem cheia)
1 colher de sopa (bem cheia) de fermento em pó

Preparação

Misturar todos os ingredientes no liquidificador iniciando com os ovos, açúcar, óleo, e restantes ingredientes, deixando o fermento por último.
Colocar rapidamente em forma untada e enfarinhada, redonda com furo no meio.
Levar ao forno pré-aquecido a 200ºgraus por 30 minutos. - coloquei a temperatura a 180º 30 minutos. Logo após terminar este tempo, fazer o teste do palito. Estando cozido retire de imediato do forno para não secar e deixe o bolo descansar na forma alguns minutos. 



18 de setembro de 2019

Bolo de Morangos



Foi um dia perfeito...  
Colhi os morangos... preparei a massa... 
E com frutos biológicos bem doseados de aroma e sabores,... sentimos toda a diferença !! 


Diferente do original mas, é a minha versão!


Foi na aldeia e ainda criança, que descobri os primeiros morangos. Pequenos botãozinhos vermelhos que brotavam entre folhas verdes ao redor do grande tanque de rega. Protegidos do excesso de calor e enriquecidos pela humidade da terra de quando o tanque transbordava. Quando me aproximava e com  a ondulação da verdura já o seus aromas sentia, tão delicados como o seu fruto e sabor. Estou grata... porque apesar de tantas décadas passadas, as minhas papilas gustativas ainda me lembram esse gostinho.


No início da minha adolescência estive longe de Portugal e só quando regressei, já mulher, voltei a saborear este fruto, mas comprava-o no mercado. Não podiam faltar na sobremesa de domingo... os morangos com chantily. Decorria o ano de 1973. E como a fruta tinha a sua época,  morangos... só  no verão. Daí, só preparar sobremesas frescas com esta fruta. Por vezes temos dificuldade em alterar os nossos hábitos... Pois os morangos já existem todo ano, e eu, ainda continuava a utiliza-los da mesma forma, é que eu adoro... morangos com chantily!!!!!!

E como nunca é tarde para mudar seja o que for, eu experimentei fazer... O Bolo de Morangos.


O Bolo de Morangos é excelente, na textura e no sabor. É uma receita que voltarei a repetir... Sem dúvida!!!


Ingredientes

Massa

4 ovos
½ xícara (chá) de manteiga sem sal- 80g
1 ½ xícara (chá) de açúcar- 300g
¾ xícara (chá) de leite - 180ml
3 xícaras (chá) de farinha de trigo - 330g
1 colher (sopa) cheia de fermento químico em pó
1 ½ xícara (chá) de morangos maduros picados (usei (300g)

Calda

1 caixa (300 g) de morangos pequenos
½ xícara (chá) de água (usei 1 chávena)
½ xícara (chá) de açúcar (usei 3/4 de chávena)
1 colher (sopa) de gelatina em pó sabor morango (só colocar 1 colher de sobremesa, rasa)



Preparação do Bolo

Junte os ovos, a manteiga e o açúcar e bata na batedeira até ficar cremoso.
Ponha, aos poucos e alternadamente, o leite e a farinha misturada com o fermento.
Pare de bater e misture os morangos.
Passe para uma assadeira de 17 x 27 cm, untada e com o fundo forrado com papel-manteiga também untado.
Leve ao forno, preaquecido a 180 °C, por cerca de 45 minutos ou até assar e dourar.
Desenforme morno. Retirei o topo do bolo para poder inverter e levar à mesa do nosso almoço de sábado, com a filha e netas. Para uma ocasião especial, retire toda a capa superior e corta em quadrados. Coloque os morangos, como na foto, e regue com a calda.

Calda

Leve ao fogo os morangos com a água e o açúcar, mexendo até o açúcar dissolver.
Deixe ferver em fogo brando por 5 minutos, misture a gelatina e deixe esfriar.
Sirva com o bolo morno ou frio. ( retirei os morangos e coei a calda)
.
   Ler as notas no final do texto







 Nota 

Na lista de ingredientes, estão especificado as alterações que considerei necessárias. 

- A calda fiz logo de início com as minhas porções e, não utilizei os respetivos morangos porque ficaram uma massa disforme. 

- No bolo, os morangos na massa cozida, não ficaram dispersos, acumularam-se na base da forma. 

- Possivelmente, se a medida da forma for maior, o bolo não fica opado, e a massa não atingindo  tanta altura, os morangos distribuem-se de forma diferente.

- Como sempre, e aliás, sendo um receita nova, utilizei o maior rigor possível. Tanto na pesagem como na confeção. 

- Mesmo reduzindo a quantidade de gelatina, tive de amornar a calda para poder utilizar.


.







15 de setembro de 2019

Peixinhos da Horta



Sem dúvida que há muitas variantes desta receita, mas cá em casa, mantém-se esta tradição. A simplicidade e qualidade dos ingredientes... fazem também toda a diferença!! 




Sabem como gosto e valorizo os sabores das nossas tradições! E tem ainda mais... elas guardam-nos  lembranças. Histórias de vida que recordo com carinho e com saudade. 
Aqui já deixei algumas dessas receitas. Bem significativas dos usos e costumes da nossa gastronomia. Sendo assim, trago hoje, mais  um pedaços da nossa gastronomia e que...

.... há séculos também fez história... numa ilha do continente asiático.

Conta-se... que três portugueses (missionários jesuítas) que seguiam num navio com destino a Macau, foram desviados da rota e levados para a ilha japonesa. Decorria o ano 1543. Ficaram no país menos de 100 anos, até serem expulsos. Os portugueses foram-se embora, mas deixaram um legado significativo: feijão verde envolto em massa e frito, vulgarmente chamado, peixinhos da horta, agradou tanto no Japão, que hoje, chama-se Tempura a uma simples massa  de agua , farinha e pouco mais... depende só, da forma como é preparada.




Estas vagens de feijão verde fui eu que as colhi. Simplesmente "Biológicas"




Ingredientes

- 500g de feijão verde mal cozido (usei a vagem inteira)

Para o polme:

- 100g de farinha sem fermento
- 1 ovo
- 60 ml de água fria (temperatura ambiente)
- sal e pimenta

Preparação

Deite a farinha num recipiente e adicione a água até obter um polme suave. Adicione o ovo e tempere com sal e pimenta. Passe as vagens do feijão, duas a duas, pelo polme e frite em óleo bem quente, até estarem douradas. Escorra sobre papel absorvente.

Esta receita pertence à nossa muito querida : Maria de Lourdes Modesto.
Como não estava mencionado na receita a quantidade de água, fiz a minha medição e considerei-a boa.







Nota: As massas dos polmes não devem ser batidas. Os ingredientes só devem ser envolvidos e delicadamente.




















10 de setembro de 2019

Uma Quiche de Alho Francês Cogumelos e Bacon... para um dia Campestre...





Não sentia assim tão perto, a natureza... há muito tempo!! 
Identificar os cheiros... da terra, das flores, das uvas maduras penduradas na ramada... qual fosse o lado se seguisse-mos, eles sobressaíam-se.




Estive com uma amiga, no local onde nasceu e que tanto ama. Deslocam-se regularmente, para cuidar do que é semeado com muito empenho e carinho. E como os anos... não param de aumentar, há que edificar um lugar de abrigo para esses que faltam vir.




Este fim de semana acompanhei-a e realizei as tarefas rurais mais primárias... colher... o que tinham semeado!! 



Para que estes mimos possam existir!!!  Todo o sábado, a M.  esteve a regar.




O maior de todos os  privilégios... foi poder degustar todos estes sabores!!! Podem crer.




Mas como saco vazio não fica em pé... Antes do almoço provamos uma Quiche que fez as nossas delícias. Pena é, que das fotos não possa dizer o mesmo. A quiche não nos brindou com alguma fotogenia... mas o paladar superou o meu desagrado assim como tudo o mais.




Ingredientes da Quiche

200g de cogumelos cortados
200g de bacon fatiado - muito fino
500g de alho francês - laminado fino
1 pacote de natas (usei sem lactose)
4 ovos - médios
30g de margarina
5 a 6 colheres de sopa de azeite~
1 colher de café - de- tabasco (opcional)

Preparação

Coloque o azeite e a margarina num tacho, deixe derreter e junte o alho francês. Envolva nas gorduras e adicione de seguida o bacon laminado, cozinhe por poucos minutos e junte os cogumelos laminados mas grosseiramente, envolva todo o aparelho e não deixe no lume mais que cinco minutos. Tempere com sal e pimenta preta de moinho. Numa taça, misture as natas, os ovos e bata ligeiramente. Tempere a gosto e se gostar, adicione o tabasco. Vai sem duvida, obter um paladar deveras original.
O Tabasco foi uma inspiração de momento... substitui o tempero de sal para a mistura dos ovos e natas.


Ingredientes da Massa

500g de farinha sem fermento
250g de margarina de barrar e sem sal, há temperatura ambiente
3 ovos + 1 gema
60ml de água

Preparação

Peneira a farinha para uma tigela e abra uma cova ao centro para colocar aí os restantes ingredientes. Polvilhe uma pitada de sal e açúcar sobre a farinha.

Coloque o ovo na cavidade da farinha e, com ajuda de uma espátula, envolva na farinha e acrescente também a água no centro e misture para incorporar os ingredientes. 

Por fim adicione a margarina. Assim que a massa esteja mais consistente, amasse com a mão até que a massa fique bem lisa e homogénea.

Forme uma bola e envolva em película. Leve ao frio por minutos. Com a ajuda do rolo e sobre uma base enfarinhada, estique a massa com espessura de meio centímetro (não menos). Novamente use o rolo para a transferir a massa para a forma. 

A textura da massa é muito delicada e convém que a manuseie com cuidado. Após a forma forrada e cortados os excessos, essa massa pode ser usada em locais onde a massa ficou menos espessa e, com um garfo fure-a no fundo e nas laterais

Pique bem todo o fundo da forma, cubra o fundo com papel de alumínio e coloque um peso (feijões) para manter o formato da massa. Leve ao forno por 15 minutos, retire o alumínio e deixe ficar mais algum tempo até que a massa adquira uma textura de pré-cozedura.



Reparem na malga do vinho... sua textura parece nata. E a cor... cola-se ás  paredes da malga. Vinho assim. Só lá!!



E com mais uma das alegrias da M, termino o meu roteiro. Se olharem com atenção... o besouro poisou na flor...



4 de setembro de 2019

Muffins de Alfarroba e Aveia Integral Grossa...





Todas as caixas destes docinhos meias vazias... é um simples detalhe para ligar o forno! Ou se repete aquela receita que não pode faltar - ou até enjoar - ou então... aquela que amiga da amiga... nos falou. E depois, a expectativa de provar algo novo, faz-nos girar na cozinha com muito mais animo. 




Esta receita de Muffins de Alfarroba, já está na caixa das esperas... há muito tempo. Mas, com a prolongada paragem aqui no Blog, deixei de adquirir muitos ingredientes de pastelaria. Assim como a farinha de alfarroba, que para a confeção deste bolo (aquele de que gosto muito)  tornou-se numa das eleitas.  https://saberescomsabores.blogspot.com/2015/01/bolo-de-alfarroba-com-laranja.html                                                                          




Mas, a pedido... quis experimentar estes Muffins de Alfarroba, que também me tinham suscitado curiosidade relativamente à adição de Aveia integral e muito grossa. O resultado foi excelente mas, deveriam ter estado menos tempo de forno. 




Ingredientes

130 g de flocos de aveia integral, grossos
110g de farinha branca de neve, rotulo azul
40 g de amido de milho, maisena
100g de açúcar amarelo
200ml de café, fiz de máquina e tépido
1 colher de sobremesa de canela
2 colheres de sopa de vinho do Porto
3 colheres de sopa, cheias, de farinha de alfarroba
1 colher de chá, cheia, de fermento em pó
5 colheres de sopa de óleo 
3 ovos


Preparação

Preaqueci o forno a 180º .Tempo de cozedura: 15 a 20 minutos. 

A preparação é o mesmo de sempre. Junte os ingredientes secos numa taça, noutra taça líquidos e no fim juntar ambos, até obter uma massa homogénea (só envolver).  Bata só, previamente os ovos antes de os adicionar aos restantes líquidos.
Colocar as formas de papel frisado dentro das formas para queques. Distribuir a massa pelas formas e levar ao forno pré-aquecido. O tempo de cozedura vai variar consoante o tamanho das formas. As minhas não eram muito grandes, deu para 19 e cozeram em 15 minutos.




Se gostar, e como não são muito doces, pode polvilhar com açúcar fino e canela.







31 de agosto de 2019

Arroz de Feijão de Debulhar com pimentos e tomate








Quando nos dão feijão verde rajado de debulhar... 




... e tomate de qualidade variada... tudo orgânico.  Que deveremos   fazer???





Nada será mais reconfortante... que um arroz, quase malandrinho. 
E se bem pensei, depressa pus mãos há obra. E para debulhar o feijão, sentei-me no terraço, mas logo tive companhia!






Mas antes... vamos saber um pouco desta planta!

- O feijão é uma planta originária da América Central onde é cultivada, desde há 8000 mil anos, e foi introduzido pelos espanhóis, após a descoberta da América em 1492.    
- O feijoeiro é uma planta anual. Os frutos são vagens, com sementes em forma de rim, de variados tamanhos e cores 
-A colheita do feijão verde realiza-se quando as vagens tenras apresentam as sementes ainda um pouco desenvolvidas, e realiza-se de Junho a Agosto.
-E ainda muito utilizado na cozinha de vários países.
-E quando destinado para a produção de grão têm um ciclo produtivo longo (que pode variar em 4 a 5 meses) e apenas uma colheita no fim do ciclo. Aí os grãos já estarão formados mas suculentos para 
serem utilizados.
-Com o envelhecimento da vagem os grãos tendem a endurecer.




Devemos evitar o feijão verde já embalado. Para assim, podermos ter melhor controle na escolha.
-Uma vagem de feijão verde fresca parte-se quando a dobramos. A vagem deve ser firme e apresentar um toque aveludado e sem manchas. A sua polpa deve ser suculenta.
-Se  uma vagem tem no seu interior os feijões completamente formados, tenderá a ser fibrosa e dura.






Ingredientes para 4 pessoas

-1 cebola média, bem picada
- 2 dentes de alho, grandes e picados
-1 folha de louro
-100ml de azeite
-400g de feijão de debulhar 
-150g de arroz carolino (uso o saludães)
-600 a 700ml de água
-1/2 pimento verde, cortado em quadradinhos (brunesa)
-3 tomates italianos, sem sementes e cortado em quadradinhos (brunesa)
-Sal e pimenta preta de moinho


Preparação

Num tacho, refogue ligeiramente a cebola no azeite e salpique com umas pedras de sal. Junte o alho e deixe fervilhar mais um pouco. Adicione a água a ferver, o louro, a salsa e o feijão e deixe ferver 20 minutos, mas verificando a textura do feijão. Retifique temperos e introduza o arroz, baixe o lume para o mínimo e deixe cozer por 13 a 15 minutos. 5 minutos antes de terminar o tempo de cozedura introduza os pimentos e 2 minutos antes de retirar do lume salpique com o tomate e sirva de imediato.  Para poder saborear-se o feijão e todos os aromas envolventes, optei por fazer este arroz de feijão de debulhar menos caldoso. 





Nota: Se ainda tiverem oportunidade de encontrar vagens deste feijão...  não hesitem!!


24 de agosto de 2019

Bolo Mulato com Canela e Nozes... {sem azeite}





Bolo Mulato com Canele e Nozes!
É uma receita que ganhei com o meu casamento... receita de família e com mais de meio século.

Muitas pessoas certamente que terão aquela a receita que tanto gostam. Tal como  relíquias  de gerações... que nos adoçam os sentidos e nos deixam gratas lembranças.
Este bolo era o eleito na família do meu marido. Não havia festa ou um lanche mais especial... que não houvesse... o Bolo Mulato!

Em meados do século passado e devido a alguma austeridade, os bolos não se consumiam com a mesma frequência que no momento atual. Tornando-os assim, tão mais apetecíveis. Mas com este bolo... ele sabe-me sempre bem. Claro que posso ser suspeita... mas é a realidade.




Presentemente para este bolo já existem imensas versões mas, no tradicional Bolo Mulato, o azeite está incluída na sua lista de ingredientes. Na minha receita não consta e sempre agradeci, pois não seria tão apetecível, para mim...






Ingredientes

130 g de açúcar
80 g de manteiga (usei manteiga sem lactose)
200 g de farinha sem fermento
2 ovos, médios
80 g de nozes, grosseiramente cortada
1 dl de leite sem lactose
2 colheres de (chá) fermento em pó
1 colher (sobremesa) de canela
100ml + 1 colher (sopa) de vinho do vinho do Porto (preferência vinho velho)

Preparação

Bata a manteiga com o açúcar e junte os ovos, um a um, batendo entre cada adição. Adicione ao creme da manteiga a farinha misturada com o fermento e a canela, alternando com o leite e o vinho. Depois de tudo envolvido, bata bem e na batedeira por 2 minutos.  Por fim incorpore as nozes. 

Deite a massa numa forma untada com margarina e forrada com papel vegetal também untado, e polvilhada com farinha. Leve a cozer em forno bem quente (190ºC) durante 10 minutos e prolongue a cozedura, em forno médio (160ºC) durante 30 a 40 minutos.

Para estas porções utilize a forma de 20cm, sem buraco. Neste bolo dupliquei os ingredientes e a forma de mola é de 26 cm, também sem buraco. Torna o bolo menos seco.

Nota: A noz deve ser partida em pedaço e não picada para evitar resíduos pequenos que podem originar uma massa mais seca. 








Pensei ter perdido... as fotos desta relíquia!! Poderia mostrá-las noutra altura, mas, este era o contesto adequado. Os binóculos eram da Mãe do meu marido. Peça centenária e indispensável numa sala de teatro... E era sua... esta receita !!!




O livro não é de culinária... mas também deverá andar muito perto dessa idade. É de histórias reais e repletas de suspense. 
Não tivesse sido eu, uma fã incondicional de  Agatha Christie !!



















Poderá também gostar de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...